DEU RUIM! IPTV pirata manda mulher e três homens passarem 10 anos na cadeia

154

Aos poucos o termo IPTV vai deixando de ser associado exclusivamente à pirataria da tv por assinatura e se associando a plataformas de streaming legais, sejam pagas ou mesmo gratuitas. Confere aí:

IPTV Grátis 2022: 25 melhores sites de streaming online lista atualizada

Mas é inegável que foi a turma que gosta de assistir tv por assinatura sem pagar a assinatura aos devidos produtores daquele conteúdo quem popularizou a tecnologia IPTV em todo o mundo. Desde que começou a ser usado para os fins da pirataria que o IPTV vem sendo duramente combatido em todo o mundo, até aqui mesmo no Brasil, como o caso recente de destruição de centenas de milhares de TV Box modificados para o IPTV que foram destruídos pela Receita Federal. Veja só:

TV Box serão destruídos – 111 mil segundo a Receita Federal

E os brasileiros que gostam da onda do IPTV pirata tem que levantar as mãos para o céu e agradecer de que aqui no Brasil são muito raros os casos em que o pepino foi tão grosso como o caso que vamos comentar a seguir, que ganhou publicidade ontem, na Europa.

Mulher condenada a 10 anos de prisão por IPTV pirata

Não somente uma mulher, mas também três homens sofreram a punição. O que me chama a atenção em relação a isto é que está se tornando comum vermos mulheres envolvidas neste mercado do IPTV pirata como também está se tornando comum notícias de punições aplicadas a mulheres que se envolvem com isto.

Este caso ocorreu no Reino Unido que tem tornado as leis de proteção de direitos autorais cada vez mais rígidas em relaçao ao uso do IPTV não oficial. Os quatro indivíduos condenados à prisa atuavam na região de Hampshire, Essex e Norfolk e terão de cumprir a pena de 10 anos de prisão. Não há mais recurso no caso deles, eles terão mesmo esse longo período de privação de liberdade.

O tribunal de Southampton Crown decidiu por esta punição “pesada”após investigações realizadas pelo Hampsire County Trading Standards Council e pelo FACT. Todos os equipamentos dos réus, relacionados a este caso, também foram apreendidos em cumprimento à Lei de Produtos do Crime.

Dois dos condenados, que foram identificados por codinomes os quais usavam para o desenvolvimento de software que permitia o acesso ao conteúdo pirateado, receberam a alta punição no entanto a investigação não identificou que eles tenham alferido ganhos financeiros por conta da atividade IPTV ilegal.

As outras três pessoas, no entanto, Keiran Collins, Amanda Collins e Robert Kurian, além de receberem a punição de prisão também terão que devolver “grandes somas de dinheiro” ganhas com a atividade do IPTV pirata.

O pessoal daquele local que fabrica TV Box e outros equipamentos para este mercado IPTV agradece ao tribunal de Southampton Crown pois enquanto estiver dando ruim para quem compra deles no atacado, melhor para eles que receberão mais pedidos para repor e até mesmo mais clientes para os serviços IPTV que eles também vendem.

E a roda continua a girar, até quando você acha que esse mercado IPTV não oficial vai sobreviver?

Compartilha e continue no GPS.Pezquiza.com