Operadoras incentivarão a pirataria por DVD e pendrive ao limitar internet fixa no Brasil

862

Hoje um colega me perguntou atravÉs do facebook o que eu acho sobre a limitação de dados na internet fixa, que está sendo colocada nos novos contratos de serviços que as operadoras de telecomunicações estão enviando para os seus novos clientes.

Esses contratos determinam que a conexão de internet fixa pode ser limitada pela operadora, em quantidade de dados trafegados, a partir da data em que a operadora julgar que isto É necessário, desde que o cliente tenha excedido a quantidade de dados da franquia de internet fixa.

Falamos em planos que limitam o usuário a um uso máximo de 100 Gb de dados trafegados por mês, contando download e upload.

As razões para esta limitação estão bem disfarçadas e os meios normais de comunicação nunca irão levantar a bola, mas nós aqui podemos falar sobre elas livremente.

– Proteger os investimentos feitos nas infraestruturas de voz

– Proteger as ofertas de tv por assinatura das operadoras dos concorrentes de plataformas via internet… leia-se Youtube e Netflix.

Na Áºltima dÉcada as operadoras investiram fortemente na sua infraestrutura de voz e mais discretamente na infraestrutura de internet, mas os usuários começaram a pender cada vez mais para o uso da internet e seus aplicativos de telecomunicações, interação social e entretenimento, uso que foi turbinado pelo surgimento e popularização dos smartphones, que na realidade são micro computadores de bolso com conexão Á  internet.

AlÉm disto outros aparelhos tambÉm começaram a se conectar Á  internet, como as televisões, o que incentivou ainda mais o consumo de internet fixa no Brasil… e no mundo.

O foco das operadoras É não perder o alto investimento que fizeram na estrutura de comunicação por voz no Brasil e que eles desejam explorar ainda por algumas dÉcadas, mas como conseguir que isto se torne realidade diante das necessidades atuais de seus consumidores?

A solução que as operadoras estão encontrando É obrigar os seus clientes a usar a estrutura de voz, sobretaxando cada vez mais o uso da conexão de internet.

Pra piorar a situação dos clientes das operadoras, ainda há um incentivo a mais para as operadoras desestimularem o uso da internet, que É combater os seus principais concorrentes de entretenimento em vÁ­deo, que são o Youtube e a Netflix.

Claro que eu não posso me esquecer do WhatsApp e sua troca de mensagens que matou o SMS no mundo e as ligações de voz pelo aplicativo que estão ajudando a tornar a infraestrutura de voz das operadoras em velharias do passado.

AÁ­ vem o governo atravÉs da Anatel querer nos convencer que essa limitação É benÉfica para o consumidor… hahaha, faz me rir.

O problema É que outros paÁ­ses tambÉm estão optando por este mesmo tipo de limitação, atÉ mesmo as operadoras nos Estados Unidos estão pensando neste tipo de limitação, pelos mesmos motivos apresentados acima.

Ficou obvio que permitir que uma mesma empresa ou um mesmo grupo econômico controle negócios em telecomunicações que podem ter interesses conflitantes pode ser muito prejudicial ao consumidor, como É este caso agora.

Se as operadoras levarem a cabo a tal limitação de dados na internet fixa, o que elas farão É incentivar novamente a pirataria de conteÁºdos de entretenimento atravÉs de DVDs e pendrives pois assim o consumidor do Netflix, Spotify, Youtube, e outros tantos serviços de streaming online não irão gastar a sua banda de internet com este tipo de conteÁºdo.

É um regresso, um regresso muito grande, já que a pirataria de entretenimento digital estava perdendo o jogo para a Netflix e o Youtube.

É um regresso.