SATÉLITE DA SES está PIFADO E SEM RUMO próximo a satÉlite StarOne

6960

Na Áºltima semana o satÉlite AMC9, que pertence Á  operadora de satÉlites SES e está, ou estava atÉ então, em órbita geoestacionária na posição orbital 83° Oeste, que fica na AmÉrica do Sul e É próxima Á  orbital do satÉlite StarOne D1, que fica na posição orbital 84°W, apresentou uma importante anomalia que o colocou Á  deriva em altitude que pode ameaçar não só o satÉlite StarOne D1 mas tambÉm o satÉlite argentino Arsat 2, que está na posição orbital 81°W.

A SES não comunicou o que aconteceu ao satÉlite que o tornou inoperante e possivelmente atÉ mesmo incomunicíel, somente disse que o satÉlite está se deslocando lentamente e que está se comunicando com outras operadoras de satÉlite e agências governamentais de controle de tráfego orbital para que possam proceder o monitoramento da movimentação do AMC9.

A SES está movendo para outros satÉlites as transmissões que tinha no AMC 9 e tambÉm solicitou a outras operadoras de satÉlite que tem satÉlites em orbita próxima a que era ocupada pelo AMC9 que lhe ajudem a restabelecer as transmissões que eram feitas atravÉs do AMC9.

O prejuÁ­zo total estimado que foi causado por tal evento Á  operadora SES está orçado em mais de 50 milhões de euros.

O AMC 9 já tinha 14 anos de vida Áºtil.

Vale a pena lembrar que uma pane total em um satÉlite de comunicações É um evento extremamente raro de acontecer, teria então o satÉlite da SES sido vÁ­tima de detritos espaciais?

Se o AMC9 virou lixo espacial em órbita no cinturão de clark É realmente um evento importante e preocupante para as operadoras de satÉlite já que o local correto para satÉlites inoperantes fica 300 quilometro acima desta altitude orbital.