FOGUETES REAPROVEITÁVEIS DA SPACEX ESTÁƒO MATANDO A ARIANEGROUP

1136

A ArianeGroup, controladora, entre outras, da Arianespace, cujo site de lançamento É vizinho ao Brasil, na Guiana Francesa; se colocou em uma difÁ­cil situação financeira por ter ignorado o poder de concorrência da Spacex e da Blue Origin nas pequenas cargas espaciais.

O ArieneGroup, europeia, teve origem em 2014 com a associação entre a Airbus e a Safran, formada especialmente para o desenvolvimento do foguete lançador de grandes cargas espaciais Ariane 6. A empresa anunciou ontem que irá demitir 2.300 empregados nos próximos cinco anos, de um total de 9.000 postos de trabalho que mantÉm entre seus subsidiárias na França e na Alemanha.

O motivo das demissões É a diminuição consideríel da sua carteira de clientes ocasionada pela concorrência de novas empresas no mercado de lançamento de cargas espaciais, com ofertas mais agressivas Á s quais não podem ser cobertas pela ArianeGroup, ou seja, a concorrência da Spacex e seus foguetes reaproveitíeis.

Os players que se juntaram para a formação do ArianeGroup já atuavam no mercado de foguetes espaciais há muitos anos com o nome de Airbus Safran Launchers, uma joint venture da empresa aeroespacial europeia Airbus e do grupo francês Safran, cujos três principais negócios são: aeroespacial (sistemas e equipamentos de propulsão orbital), defesa e segurança com o objetivo de desenvolvimento e posterior produção do Ariane 6.

Na Época em que a Spacex anunciou que iria criar foguetes de lançamento de cargas espaciais reaproveitíeis, virou piada no mercado, o projeto foi considerado uma piada inclusive pela Airbus Safran Launchers, que deu de ombros e não se importou em criar uma divisão de pesquisa para o desenvolvimento de um foguete com capacidade similar. A empresa focou no lançamento de cargas espaciais de atÉ 20 toneladas em foguetes “convencionais” não reaproveitíeis, agora a estratÉgia se mostrou equivocada.

Os foguetes reaproveitíeis da Spacex revolucionaram o mercado, levaram a competitividade a um nÁ­vel bastante elevado, reduzindo o custo de lançamento de cargas espaciais a um valor de quase 50% abaixo ao que É praticado pela ArianeGroup; o resultado: tanto clientes institucionais quanto grupos privados começaram a migrar para os lançamentos da Spacex, estrangulando as operações comandadas pela ArianeGroup.

Para piorar a situação a Spacex tambÉm tem o seu concorrente de peso, e reaproveitíel, para o foguete Ariane 6, o Falcon Heavy.

Resta saber se o ArianeGroup vai conseguir sobreviver aos próximos cinco anos com a mesma estratÉgia de mercado ou vai em busca de desenvolver seus próprios foguetes reaproveitíeis.

SIM, NÁ“S TEMOS TELEGRAM E SE VOCÁŠ TEM TAMBÉM CLICA LOGO NO LINK AÁ E CONHECE O NOSSO: https://t.me/gpspezquizaoficial