Desvendando como o Tocom Cinebox vai ter Video on Demand sem internet

1853

A contar pela quantidade de gente que deixou recado para o e-mail e private do GPS.Pezquiza.com me puxando a orelha e dizendo que a minha mãe É bacana, essa nova funcionalidade de Video on Demand do Tocom Cinebox vai vender estes receptores pra caramba.

Teve uns quatro recados me lembrando que a Sky oferece Video on Demand via satÉlite sem necessidade de internet, com conteÁºdo via satÉlite.

Na realidade não É só a Sky que oferece conteÁºdo Video on Demand via satÉlite, a Claro TV tambÉm oferece um serviço similar que ela chama de Videoteca Claro, no GPS.Pezquiza.com nós fizemos uma matÉria sobre a Videoteca Claro em julho de 2012, leia em Videoteca Claro TV estrÉia nesta semana.

Mas como a Sky e a Claro TV podem oferecer Video On Demand via SatÉlite e o Tocom Cinebox não pode?

Vamos ao modo de funcionamento do Video on Demand via satÉlite da Sky e da Claro TV.

Na realidade ambos os serviços não são um video on demand no verdadeiro sentido deste serviço, ambas as operadoras usam uma pequena “trapaça” para oferecer Video on Demand para os seus clientes com receptores top.

É muito simples, tanto Sky como Claro Tv usam o HD interno dos seus receptores, que tem grande capacidade de armazenamento de conteÁºdo, para gravar o conteÁºdo do “Video on Demand” antes de este conteÁºdo ficar efetivamente disponÁ­vel para que os seus clientes assistam.

Esse conteÁºdo nem É enviado via um download de arquivos, eles são gravações digitais, popularmente conhecidas como PVR nos receptores de satÉlites, programadas por ambas operadoras.

A Claro TV reserva um 20% do espaço do HD interno do seu receptor para estas gravações para a Videoteca Claro, o que já É um excelente espaço e cabe muito conteÁºdo, 100Gb. Acredito que a Sky deve reservar tambÉm espaço similar a este.

A Sky tem canais no satÉlite que não aparecem, não são listados, no receptor dos seus assinantes, mas eles estão lá e são usados para transmitir este conteÁºdo que o receptor na casa do cliente fica encarregado de gravar sem a interferência do assinante. É um canal como outro qualquer e o receptor É programado para gravar automaticamente estes conteÁºdos e organizar no sistema do VoD da Sky.

Este conteÁºdo É criptografado e pode ser liberado pela operadora quando o cliente comprar (alugar) o conteÁºdo. Quando o cliente acessa o conteÁºdo deste sistema que É chamado pelas operadoras de Video on Demand, o que ele está fazendo na realidade É acessar um conteÁºdo que já estava gravado em seu decodificador mas estava protegido por senha.

Gravação não É download de dados, e por isto não vai contar como conexão de dados no satÉlite, a Áºnica coisa diferente que vai acontecer no satÉlite É trazer o código de liberação do conteÁºdo para aquele determinado cliente, que com certeza não deve ser nem 1 Kb de dados.

É uma excelente estratÉgia que realmente elimina a necessidade de se ter uma conexão de dados para o VoD.

A grande questão aÁ­ É que a quantidade de conteÁºdo disponÁ­vel para o assinante Sky ou Claro TV assistir por este Video on Demand está limitada ao espaço disponÁ­vel para o sistema no HDD do receptor da operadora. Não haverá tanto conteÁºdo quanto num vÁ­deo on demand de um Netflix, por exemplo.

Rapidinho o HDD estará lotado de gravações e não poderá receber nenhuma outra sem que se delete alguma anterior.

Mas falando a linguagem correta, isto não É video on demand no sentido amplo do serviço, o nome disto É conteÁºdo prÉ gravado escolhido pela operadora.

O receptor Tocom Cinebox pode adotar a mesma estratÉgia, do mesmo jeito?

A mesma estratÉgia eu acredito que não, pois há a dificuldade de se precisar de um ou mais TPs no satÉlite com canais transmitindo filmes para serem gravados automaticamente pelo receptor Tocom Cinebox e outros da marca e então serem organizados por uma interface on demand.

No entanto eles poderão usar uma estratÉgia similiar Á  da Sky e da Claro TV para oferecer um conteÁºdo limitado de Video on Demand para os usuários de seus receptores.

Usar um HDD ou outro dispositivo de armazenamento atrelado ao Tocom Cinebox e enviar o conteÁºdo on demand por arquivo via satÉlite que será gravado neste dispositivo de armazenamento.

A estratÉgia É a mesma, uma quantidade limitado de conteÁºdo a ser disponibilizado, o envio deste conteÁºdo sem a interferência do usuário do Tocom Cinebox que só saberia que aquele determinado filme ou sÉrie está disponÁ­vel para ele assistir quando o receptor acabar de baixar o conteÁºdo.

A vantagem aÁ­ É que não há uma requisição de arquivo de dados para cada usuário do Tocom Cinebox, o que iria inviabilizar o tráfego de dados no satÉlite pois pesaria demais muitas pessoas conectadas ao mesmo tempo solicitando streaming de vÁ­deo.

Não se trata de streaming de vÁ­deo, mas de um envio Áºnico de dados que todos irão receber ao mesmo tempo, com isto bastaria apenas usar 1Mb/s de dados no satÉlite, quem sabe um pouco mais, e já seria possÁ­vel oferecer bastante conteÁºdo, limitado ao dispositivo de armazenamento que o usuário do Tocom Cinebox tiver.

Se esta marca Tocom Cinebox desenvolveu uma estratÉgia deste tipo aÁ­ o GPS.Pezquiza.com vai ter que dar o braço a torcer, É realmente viíel e totalmente possÁ­vel.

Mas como eu disse da tecnologia usada pela Sky e Claro, É Video on Demand somente na estratÉgia de divulgação do serviço, mas na realidade trata-se de conteÁºdo prÉ gravado no receptor do usuário.