Decisão judicial pode por fim ao cardsharing, IKS e IPTV pirata na Europa

1237

Avalie este artigo [starrater tpl=10]
Uma decisão do Tribunal Europeu, favorável à indústria cinematrográfica, pode significar a última pá de cal que estava faltando no enterro de métodos usados para a pirataria da tv por assinatura usando como meio a internet.

O Tribunal Europeu decidiu que as operadoras de internet tem o direito de bloquear sites e serviços web que compartilham conteúdo pirata.

Na realidade esta decisão tem que ser vista de uma ótica diferente, no que diz respeito ao termo ter direito de bloquear, já que na realidade a decisão dá às operadoras de internet o poder de julgar e bloquear as páginas e serviços de pirataria via internet, que é claro que é um poder que eles tanto desejavam, e que no fundo também se tornará uma obrigação, pois se não bloquearem a pirataria também serão cobradas por tal fato.

Antes da decisão, mesmo identificadas, as páginas de compartilhamento de conteúdo pirata não podiam ser bloqueadas sem que houvesse uma ordem judicial para tal, ordem esta que sempre foi complicada de se conseguir na Europa, já que nem todos os países seguem a mesma conduta em relação à pirataria, desta maneira, os piratas sempre corriam para os países mais tolerantes.

lista iptv legal 104 canais gratis ao vivo
lista iptv legal 104 canais gratis ao vivo

No entanto, com a decisão vindo do Tribunal Europeu, ela deve ser acatada por todos os países submetidos a este tribunal, inclusive os mais tolerantes ao conteúdo pirata.

O Tribunal Europeu mirou nos filmes e músicas compartilhados via P2P e download direto, mas na rede desta nova decisão devem cair muitos outros peixes da pirataria via internet.

Entre estes peixes estão os métodos de pirataria da tv por assinatura que utilizam a internet, é o caso do cardsharing , IKS e IPTV piratas, que também infernizam e muito o antigo continente.

Como já publicamos anteriormente aqui no GPS.Pezquiza.com, rastrear o servidor e os clientes do IKS e Cardsharing é brincadeira de criança, é óbvio que se a operadora desejar, em pouco tempo ela consegue detectar todas as informações necessárias para bloquear os servdores destes serviços e ainda mais, identificar com precisão o local onde estão instalados estes servidores.

Sem necessidade de esperar uma decisão judicial, as operadoras de internet banda larga terão o direito e o dever de bloquear estas transmissões indevidas via internet.

Esta decisão também pode levar o combate ao cardsharing a um outro nível, já que não será necessário ir até o local onde está instalado o servidor de cardsharing para colocar o serviço ilegal fora do ar, para provocar um apagão nos receptores que usam estes serviços bastará a operadora de internet agir conforme a autorização judicial.

As operadoras ainda devem decidir de que maneira farão o bloqueio destes serviços indevidos, o que parece ser mais certo é que se fará a exclusão do DNS dos endereços web a srem bloqueados. Este método no entanto, não é 100% efetivo e se for mesmo adotado o método do DNS, já existem muitas soluções que podem ser implementadas pelos piratas para contornar este tipo de bloqueio.

Os usuários de pirataria de outras regiões, como a América Latina, devem ficar de olhos abertos, já que os legisladores daqui podem ser levados a tomar uma decisão igual, se pressionados pela associações de combate à pirataria.

É esperar a Europa conviver com isto um tempo para saber no que vai dar.