Popularização das SMART TVS está fazendo a PIRATARIA CAIR na Austrália

693

O instituito de pesquisas alemão GfK divulgou mais um levantamento interessante sobre as tendências de consumo de vídeo, desta vez com dados sobre a Austrália, onde foram entrevistadas 3.189 pessoas com idade entre 14 e 65 anos.

O estudo foi realizado para medir o impacto ocorrido após uma grande força tarefa para fechar sites que ofereciam conteúdo pirata de entretenimento digital destinado ao território australiano, bem como uma grande campanha publicitária com o objetivo de conscientizar os australianos sobre os malefícios de se consumir conteúdo de entretenimento digital pirateado, em especial os conteúdos em vídeo de séries, filmes e tv por assinatura.

    Deixe agora seu nome e e-mail para receber de graça nossas notícias. 94 MIL PESSOAS já recebem. APROVEITE!!!
    Você deixou seu nome e e-mail? Chegou um e-mail lá na sua Caixa de Entrada pedindo para você confirmar, FAÇA ISTO AGORA ok?

O GfK detectou um decréscimo no consumo de conteúdo pirata que no terceiro trimestre de 2016 estava no patamar de 21% de australianos declarando assistir a conteúdo pirata contra 16% que declararam o mesmo neste terceiro trimestre de 2017.

É claro que as campanhas de combate aos sites de conteúdo pirata ajudaram a este decréscimo no uso de conteúdo pirata entre os australianos, no entanto a pesquisa de tendência de consumo de vídeo chegou a outra conclusão bastante interessante.

Os australianos estão declarando que a compra de Smart TVs e com isto a facilidade de acesso a plataformas de vídeo on demand como a Netflix, pois basta o apertar de um botão no controle remoto da televisão e o espectador já tem acesso a um bom conteúdo de filmes e séries de sucesso, aliado a valores de assinatura nestes serviços de Video on Demand que os australianos consideram justos, tem sido um fator decisivo para a queda do consumo de conteúdo pirateado no país.

Resta saber se a mesma lógica se repete em outras regiões do planeta.