SERVIDOR IPTV FATUROU + DE 1 MILHÃO DE EUROS ATÉ SER FECHADO NO INÍCIO DESTE MÊS PELA POLÍCIA

1997

Na realidade não era um simples servidor IPTV mas uma empresa completa de venda ilegal de acesso a canais de tv por assinatura e outros conteúdos audivisuais através de VoD que além de servir estes conteúdos através de streaming via web também vendia aparelhos IPTV próprios identificados pela polícia com a marca WEB TV (infelizmente não há maiores informações se o aparelho/modelo de aparelho IPTV da marca era comercializado com este nome).

A empresa já contava com 14 mil pontos de comercialização EM TODO O MUNDO dos seus aparelhos preparados para acesso ao seu servidor IPTV mas também vendia somente o acesso ao servidor IPTV da marca, para este acesso os clientes precisavam usar aplicativos de IPTV desenvolvidos pela empresa para a proteção do seu servidor IPTV.

Mais uma vez a denúncia contra esta marca e servidor de IPTV foi feita pela Liga de Fútbol Profesional em parceria com a Mediapro, através da Entidad de Gestión de Derechos de los Productores Audiovisuales (EGEDA).

Descobriu-se que a empresa de venda ilegal de conteúdo protegido por direitos autorais tinha sede na Galícia, na Espanha, de onde comercializavam dispositivos multimidia de larga escala que permitiam a livre visualização de conteúdos televisivos e audiovisuais, além de ser o local de onde controlavam a distribuição ilícita destes conteúdos pirateados.

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER NO CANAL

Os principais conteúdos pirateados eram eventos esportivos, filmes e séries que eram alojados em um servidor na França que era controlado de forma remota desde um departamento de informática e desenvolvimento da empresa na Galícia.

O desenvolvimento técnico do aparelho IPTV também era feito na empresa galega, que posteriormente contratava a produção do mesmo na China e posteriormente se encarregava da distribuição dos receptores IPTV para os seus pontos de venda em todo o mundo, o preço de venda do aparelho era de cerca de 120 euros (500 reais).

A polícia informou que o servidor IPTV permitia acesso a centenas de canais de televisão e também a milhares de conteúdos audiovisuais através de video on demand. Os clientes que adquiriam somente o acesso ao servidor IPTV tratavam diretamente com a empresa através de um site da marca e tinham diversas opções de pagamento, após efetuada a compra do acesso IPTV elas podiam baixar o aplicativo que lhes daria acesso ao conteúdo no servidor da marca.

Foram feitas ações de busca, apreensão e prisão em oito locais diferentes na Espanha, 4,6 mil receptores IPTV, diversos computadores, documentos fiscais, contábeis e financeiros, além de uma certa quantia em dinheiro não informado o valor foram apreendidos. Além disto parte do conteúdo pirata que é servido para os aparelhos da marca WEB TV foi bloqueado, mas não todo o conteúdo já que não conseguiram detectar todos os servidores IPTV da marca.

Pelo levantamento já feito sobre a empresa ela já obteve um faturamente maior que um milhão de euros (entre quatro e meio e cinco milhões de reais) com a pirataria da tv por assinatura.