RECEPTOR OFICIAL vs. RECEPTOR PIRATA: Dúvida do Leitor…

137

O leitor Marcílio enviou a seguinte pergunta aqui para o GPS.Pezquiza.com:
Bom dia,

Sempre acompanho suas matérias no gps.pesquisa.com, e estou com uma dúvida à respeito de decos oficiais e decos piratas.

A dúvida é a seguinte:

Tava aqui pensando, os receptores oficiais utilizam cartões de acesso, certo? E os receptores piratas extraem as keys de cartões de acesso, certo?

Se os decos oficiais das operadoras não tivessem cartões de acesso e o chip de acesso as keys e atualizações fossem embutido no receptor, ainda assim existiria pirataria? Por quê não teria como os teams extraírem as keys, ou não? Me surgiu essa dúvida, se puder e souber responder essa minha dúvida agradeço!

Obrigado!

Olá Marcílio, obrigado por nos enviar a sua pergunta.

Apesar de o cartão de acesso condicional ser uma das formas mais explicitas de proteção ao conteúdo de uma operadora de tv por assinatura, ou seja, você sabe que aquele receptor está usando uma criptografia para o seu conteúdo quando vê nele um cartão de acesso condicional, na realidade nestes receptores ele não é a única forma de proteger o conteúdo.

    Deixe agora seu nome e e-mail para receber de graça nossas notícias. 94 MIL PESSOAS já recebem. APROVEITE!!!
    Você deixou seu nome e e-mail? Chegou um e-mail lá na sua Caixa de Entrada pedindo para você confirmar, FAÇA ISTO AGORA ok?

Explicando, o cartão de acesso depende também de um chip que está embutido dentro do receptor e serve para validar aquele determinado cartão de acesso, desta forma se você tirar o cartão de acesso deste determinado receptor e colocar em outro receptor da mesma operadora é bastante provável que não irá funcionar.

Esta máxima é válida, por exemplo, para os receptores da Oi TV, se você pesquisar na internet vai ver que há várias pessoas reclamando de terem perdido seus receptores Oi TV Livre após terem problemas com o cartão de acesso condicional pois não adianta trocar o cartão de acesso pois cada receptor da Oi TV só funciona com o cartão de acesso condicional foi programado para aquele chip que está naquele determinado receptor.

De qualquer maneira o cartão de acesso das operadoras que estão sendo pirateadas é dependente deste chip que está dentro do receptor oficial.

O chip confirma e valida a chave de decodificação que está no cartão de acesso e as usa abrir as chaves que vem pelo satélite.

E como fazem os servidores que compartilham de forma pirata as chaves de criptografia de determinadas operadoras?

Precisam hackear também a informação do chip para enviar a informação completa para os receptores piratas que estão usando aquele determinado servidor. Antes era necessário enviar para a Europa o receptor original da operadora para que pessoas especializadas extraíssem o chip do receptor e mandassem a informação para que o servidor pirata pudesse abrir as chaves de criptografia de determinado cartão de acesso condicional, como a América Latina está tomada pela pirataria atualmente, acredito que este serviço esteja sendo feito aqui na América Latina mesmo.

O que quero dizer com isto é que já há embutido no receptor oficial da operadora um artefato de segurança para o conteúdo disponibilizado pela operadora e o que já foi feito pelas operadoras é mudar a parte móvel do sistema de proteção, ou seja, o catão de acesso foi trocado por um cartão de acesso virtual que era validado via internet, caso por exemplo da extinta GVT TV.

Os receptores da GVT TV não tinham cartão, eram validados via internet e os canais da GVT nunca foram pirateados, mas nem por isto podemos dizer que era por este motivo que eles não foram pirateados, pode ser tanto por conta da melhor criptografia da GVT TV quanto por conta de que não havia interesse por parte dos piratas que ganham dinheiro com isto no pacote de canais da GVT TV.

Acredito que a medida que a tecnologia da criptografia for evoluindo e for trocando suas formas de validar as chaves de acesso aos canais, o mercado de pirataria da tv por assinatura também irá produzir equipamentos capazes de burlar estes sistemas, a pergunta é, estes novos equipamentos terão preço que os tornem viáveis para o consumidor final?