IRDETO descobriu o que ACABARIA COM A PIRATARIA DA TV no Brasil e outros países

150

Li agora a pouco em um site francês que a empresa IRDETO, que desenvolve sistemas de proteção de conteúdo para operadoras de tv por assinatura e demais players do mercado de tv e midias digitais, financiou um estudo para investigar a pirataria da tv por assinatura em todo o mundo.

No total foram entrevistados aproximadamente 25 mil pessoas adultas em 30 países distintos, pessoas estas que de alguma maneira consomem a pirataria da tv por assinatura.

O estudo chegou à conclusão que em todo o mundo cerca de 52% das conexões ao conteúdo da tv por assinatura são piratas, um número bem alarmante não é mesmo?

Mas se este número é impressionante a pesquisa financiada pela IRDETO também tinha um objetivo bastante pretencioso, que seria descobrr o que poderia fazer com que estas pessoas deixassem de consumir o conteúdo da tv por assinatura de forma pirata.

Eles então fizeram esta pergunta aos entrevistados e descubriram que no total, 48% das pessoas que consomem tv pirata deixariam de consumir se tivessem acesso às informações de como a pirataria da tv por assinatura causa danos à indústria do entretenimento.

É isto mesmo, 48% das pessoas em todo o mundo disseram que se houvessem campanham educativas de forma correta que esclarecessem os reais danos que a pirataria da tv por assinatura causa em toda a cadeia de produção e distribuição de entretenimento para a tv por assinatura, elas com certeza deixariam de consumir o conteúdo da tv paga de forma pirata.

Mas as surpresas não param por aí, o estudo também mostrou por região do globo terrestre qual as porcentagens de pessoas optaram por tal resposta, olha só :

– 59% dos consumidores de tv pirata na América Latina disseram que deixariam de consumir tv por assinatura pirata se houvessem capanhas educativas sobre o dano que a pirataria causa às empresas envolvidas com tv por assinatura.

    Deixe agora seu nome e e-mail para receber de graça nossas notícias. 94 MIL PESSOAS já recebem. APROVEITE!!!
    Você deixou seu nome e e-mail? Chegou um e-mail lá na sua Caixa de Entrada pedindo para você confirmar, FAÇA ISTO AGORA ok?

– 55% dos habitantes da Asia e Oceano Pacífico na mesma condição também disseram o mesmo.

– 45% dos usuários de pirataria da Europa também se disseram sensibilizáveis por campanhas educativas que demonstrem os danos causados pela pirataria; e

– 38% dos americanos que usam pirataria disseram que deixariam de usar se soubessem de forma correta quais são estes danos que a indústria causa às empresas da tv por assinatura.

E se você entendeu bem estes números eles significam, entre outras coisas, que a América Latina está mais propensa a deixar de usar a pirataria da tv por assinatura após ser informada de forma correta dos danos reais que a pirataria da tv por assinatura causa a todos os envolvidos nesta indústria do entretenimanto.

Indo mais a fundo aí, isto significa que os brasileiros estão entre as pessoas que mais disseram que deixariam de usar a pirataria da tv por assinatura após este tipo de campanha educativa.

Neste estudo, é claro, tem que se levar em consideração que a resposta é estimulada, ou seja, o entrevistador dava várias alternativas e o entrevistado então escolhia a resposta que achava mais correto.

Quando eu publico conteúdo falando sobre a pirataria e dizendo para os nossos leitores que ela é ilegal a resposta que é dada na maioria das vezes é que se a tv por assinatura fosse mais barata as pessoas não usariam tv pirata, e agora está também se tornando muito comum as pessoas dizerem que os políticos estão cometando atos muito mais graves que piratear a tv por assinatura e que então elas não se sentem constrangidas por piratear a tv por assinatura.

Eu acho que uma coisa não perdoa a outra, mas a alegação é mesmo reflexo deste discredito político vivido atualmente no Brasil.

Já a IRDETO tem esperança mesmo é nas campanhas educativas informando aos usuários da tv pirata que isto causa prejuízo às operadoras de tv por assinatura e para as distribuidoras e produtoras de conteúdo.

Será que daria mesmo certo?